Orar é falar com Deus

Injusto

Leia Jó 23.1-14

DSC00172 Antes corra o juízo como as águas, e a justiça, como ribeiro perene. Amós 5.24

Ontem, estava devagar. Levantei-me tarde e levei muito tempo para arrumar-me para o dia. Quando, finalmente, terminei de lavar a roupa e comecei a pendurá-la, a manhã já ia avançada. Nesta época do ano, chove quase todo fim de tarde. As chuvas vieram, como de costume, e minhas roupas não estavam secas quando as trouxe para dentro. Hoje, decidi agir melhor. Levantei cedo, fui direto para o trabalho, coloquei as roupas no varal em boa hora. O que aconteceu? Hoje, as nuvens apareceram mais cedo e os trovões começaram antes do meio-dia. Sem pensar, clamei: “Não é justo!” Mas as nuvens não ouviram; a chuva caiu assim mesmo. Sempre senti certa afinidade com Jó, o homem que pede uma explicação a Deus. Naturalmente, a situação dele era muito mais grave que a minha. Mas, como Jó, quero que a vida seja justa, demonstrativamente justa, de modo que todos recebam o que merecem, na hora em que acho que merecem. Mas a justiça de Deus é um mistério além da explicação fácil. A vida não é uma questão de recompensas e punições avaliadas, mas uma questão para contemplação, admiração e, finalmente, louvor.

Oração: Graças, ó Deus, porque podemos ter a certeza da Tua presença conosco hoje e sempre. Ajuda-nos a ver a vida como motivo de admiração e nos aprofundar mais no Teu amor. Em nome de Jesus. Amém.

Pensamento para o dia: O que Deus deseja para o mundo vai além das coisas triviais que nos acontecem.

Oremos pelos que estão sofrendo em virtude da injustiça.

Meditação escrita por Nancy Molin Longatan (Mountain, Filipinas)

Medite: Lucas 13

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Saiba Mais