Orar é falar com Deus

Hoje é Dia de Nossa Senhora das Dores!

“Quero ficar junto à cruz, velar contigo a Jesus e o teu pranto enxugar”!

Assim, a Igreja reza a Maria neste dia, pois celebramos sua compaixão, piedade; Suas sete dores que encontraram seu ponto mais alto no momento da crucifixão de Jesus. Esta devoção deve-se muito à missão dos Servitas – religiosos da Companhia de Maria Dolorosa – e sua entrada na Liturgia aconteceu pelo Papa Bento XIII.

A devoção a Nossa Senhora das Dores possui fundamentos bíblicos, pois é na Palavra de Deus que encontramos as sete dores de Maria: o velho Simeão, que profetiza a lança que transpassaria (de dor) o Seu Coração Imaculado; a fuga para o Egito; a perda do Menino Jesus; a Paixão do Senhor; crucifixão, morte e sepultura de Jesus Cristo

Nós, como Igreja, não recordamos as dores de Nossa Senhora pelas dores, mas sim, porque também, pelas dores oferecidas, participou ativamente da Redenção de Cristo. Desta forma, Maria, imagem da Igreja, está nos apontando para uma Nova Vida, que não significa ausência de sofrimentos, mas sim oblação de Si para uma Civilização do Amor.

Fonte: Catolicismo Brasil 

Aproveitemos a ocasião para repercorrer algumas reflexões de Bento XVI sobre Nossa Senhora das Dores.

Aos pés da Cruz, diante de Jesus, Maria une a sua dor à de seu Filho e nos mostra que o amor de Deus é mais forte do que a morte. A sua dor é uma “dor cheia de fé e de amor” – ressalta Bento XVI:

“A Virgem no Calvário participa da potência salvífica da dor de Cristo, unindo o seu “fiat”, o seu “sim”, ao do Filho.” (Angelus de 17 de setembro de 2006)

Diante do sofrimento do Filho, Maria confia em Deus. Sabe que na Cruz Jesus derramou todo o seu sangue para libertar a humanidade da escravidão do pecado:

“A Virgem Maria, que acreditou na Palavra do Senhor, não perdeu a sua fé em Deus quando viu o seu Filho rejeitado, ultrajado e colocado na Cruz. Permaneceu diante d’Ele, sofrendo e rezando, até o fim. E viu o alvorecer radioso da sua Ressurreição.” (Angelus de 13 de setembro de 2009)

Maria nos ensina que “quanto mais o homem se aproxima de Deus, mais se aproxima dos homens” – observa o pontífice. O fato de Maria, na hora da Cruz, ter permanecido “totalmente junto a Deus, é a razão pela qual se faz também tão próxima dos homens”:

Por isso pode ser a Mãe de toda consolação e de toda ajuda, uma Mãe à qual em qualquer necessidade qualquer um pode dirigir-se em sua fraqueza e em seu pecado, porque ela acolhe todos e para todos é força aberta da bondade criativa.” (Santa Missa de 8 de dezembro de 2005)

O Santo Padre convida-nos a contemplarmos Maria, aos pés da Cruz, “associada intimamente à missão de Cristo e co-participante da obra de salvação com a sua dor de Mãe”:

“No Calvário Jesus a doou a nós como mãe e confiou-nos a ela como filhos. Que Nossa Senhora das Dores nos conceda o dom de seguir o seu Filho divino crucificado, e abraçar com serenidade as dificuldades e as provações da existência humana.” (Discurso às monjas clarissas, 15 de setembro de 2007) (RL)

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.