Orar é falar com Deus

A História de Mary Stevenson

A História de Mary Stevenson, autora do poema pegadas na Areia

Maria Stevenson nasceu em 08 de novembro de 1922 no subúrbio da Filadélfia de Chester, PA. Ela tinha muitos irmãos e irmãs, mas ainda era capaz de manter a sua individualidade e a cabeça forte. Isso se tornou ainda mais difícil após a perda da mãe aos seis anos, o que obrigou o pai a criar todos os oito filhos sozinho. A maior parte de sua infância foi passada durante um dos mais difíceis tempos da nação dos EUA, chamada de “A Grande Depressão”.

Foi na sua adolescência, que ela escreveu “Footprints in the Sand” (Pegadas na Areia) por ter sido inspirada por muitas coisas que tinha afetado a sua jovem vida. Ela ficou tão comovida pelo poder das palavras que ela escreveu que sentiu a necessidade de compartilhar o seu significado com aqueles que poderiam ganhar força a partir dele em sua época de necessidade.

Aos dezesseis anos ela começou a ter um casamento abusivo, que resultou em sua fuga e foi encontrar refúgio em uma reserva indígena fora da Claremore, Oklahoma, com seu filhinho. Ela foi capaz de regressar a casa depois de receber a palavra que o marido tinha ido para lutar na Segunda Guerra Mundial. Durante sua ausência ela foi forçada a sustentar-se trabalhando na Filadélfia como artista de palco e dançarina. Devido a isso, seu marido foi capaz de levar seu filho para longe dela assim que retornou da guerra, usando sua influência com autoridades locais. Ela passou muitos anos tentando conseguir seu filho de volta.

Mary Stevenson mudou-se para Los Angeles no final dos anos 40 onde conheceu seu futuro marido Basil Zangare a quem ela se refere como “o amor de sua vida”. Foi nessa época que ela viu pela primeira vez “Pegadas na Areia” em versão impressa com ‘ Autor anônimo “, como o crédito. Vários advogados a desencorajavam de perseguir seu crédito a ele por falta de provas. Mas sua maior batalha foi com a poliomielite e o acidente que quase tirou Basil dela.

Em 1959, um ano após seu segundo filho Basil Jr. nascer, a família se mudou para Orange County, ao sul de Los Angeles. Ao longo dos anos Mary manteve-se ocupada como uma enfermeira e trabalho voluntário na comunidade. Ela foi reconhecida muitas vezes por seu trabalho como “Vietmoms”, que ela organizou para enviar suprimentos e artigos pessoais para militares estacionadas no Sudeste Asiático durante a Guerra do Vietnã.

Em janeiro de 1980 ela perdeu o marido Basil em sua batalha com a doença cardíaca. Maria continuou com seu trabalho, mas decidiu que era hora para uma mudança de cenário. Ela saiu da casa que dividia com sua família há mais de vinte e cinco anos. Durante o movimento, ela veio através de uma pequena valise esquecida cheia de muitos dos poemas que tinha escrito ao longo dos anos. Entre tudo isto uma cópia perdida “Footprints in the Sand” que ela não tinha visto desde que se mudou para a casa em 1959.

Ela decidiu prosseguir a sua reivindicação de autoria e no final do ano foi enfim atribuído um direito de autor ao seu poema. Onze anos mais tarde sua cópia de 1939 do “Footprints in the Sand” foi autenticada como genuína por um especialista forense e diz-se que foi escrita a mais de cinquenta anos. Tal data prova que a autoria do poema é sua. Mas, mesmo assim, há reclamações feitas por outros que dizem ser de sua autoria o poema, incluindo Margaret Fishback Powers, que disse tê-lo escrito de 1964.

Mary trabalhou por muitos anos para obter o reconhecimento para a criação de “Footprints in the Sand”, e essa luta continua mesmo depois de sua morte em janeiro de 1999.

Fonte:

Uma vida tão sofrida, tão cheia de problemas e dores e a fé contínua em Deus. Linda história. Guardem sempre o que escreverem, datem, coloquem nome, nesse mundo da internet onde os autores anônimos são ainda mais difundidos provar que algo foi você que criou é mais difícil ainda.
você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.